Transposição do Rio São Francisco (N. 304) Parceria: O Porta-Voz e Painel do Coronel Paim

Os 599 Blogs da Parceria: Fundação Portal do Pantanal - Painel do Paim tratam da abordagem Sistêmica e Cibernética do Ser Humano e do seu Contexto Ambiental, preconizada por Edson Paim e Rosalda Paim, em seus livros, cuja proposta central é a organização, nos moldes da metodologia sistêmica ecológica cibernética informacional, de todos os setores da sociedade, com ênfase na administração pública, tanto a nível federal, como nos âmbitos estaduais e municipais.

terça-feira, 12 de junho de 2007

RIO SÃO FRANCISCO: DESVIO PARTICULAR DESTRUIU 7,5 KMS DO LEITO

• Quando estiver hoje, em Lagoa da Prata, no Oeste de Minas, no primeiro dia de viagem pelo Rio São Francisco, o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, verá um gritante exemplo de degradação:

- um desvio feito por uma empresa em 1981, que destruiu 7,5 quilômetros do leito.

A empresa firmou compromisso com o MP de reconstituí-lo, mas recorreu à Justiça e até hoje nada fez.

•(Estado de São Paulo - Sinopse Radiobrás)


Com referência à viagem acima referida, o Ministério da Ingtegração Nacional divulgou a seguinte nota:

"Ministro Geddel Vieira Lima inicia viagem ao rio São Francisco na segunda-feira

08/06/2007

Brasília – O ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, inicia na segunda-feira (11/06) uma viagem ao rio São Francisco.

Durante cinco dias, visitará desde a nascente até a foz do rio. O objetivo, segundo o Ministro, é o de conhecer de perto a real situação do “Velho Chico”, bem como as ações de revitalização que estão sendo desenvolvidas nos municípios localizados na calha do rio.

Batizada de “Travessia para o futuro”, a viagem começa pela capital mineira de Belo Horizonte, onde Geddel Vieira Lima concederá entrevista coletiva, no dia 11, às 16 horas, no Salão de Convenções do Hotel Ouro Minas, e às 18 horas, terá encontro com o governador de Minas, Aécio Neves, no Palácio da Liberdade.

No dia 12 (terça-feira), visitará a nascente do São Francisco, a Lagoa da Prata e a cidade de Pirapora, em Minas Gerais, e no final da tarde seguirá para Bom Jesus da Lapa, na Bahia.

No dia 13 (quarta-feira), visitará obras de esgotamento sanitário em Bom Jesus e depois conhecerá o campo de provas do projeto de desassoreamento, desenvolvido pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco de do Parnaíba (Codevasf), em Barra (BA).

Depois, seguirá para as cidades de Petrolina e Juazeiro.

No penúltimo dia da viagem, dia 15 (quinta-feira), Geddel Vieria Lima irá ao município de Cabrobó, em Pernambuco, conhecer o local onde será feita a tomada de água para o canal norte do Projeto de Integração da bacia do São Francisco às bacias do Nordeste Setentrional, que levará água para os sertões de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.

O Batalhão de Engenharia do Exército Brasileiro já se encontra no local preparando-se para iniciar as obras dos canais ainda neste mês de junho.

Na sexta-feira (16/06), Geddel Vieira Lima encerrará a viagem com um sobrevôo sobre o São Francisco até a foz do rio, passando por Piaçubuçu."

domingo, 10 de junho de 2007

TRANSPOSIÇÃO DAS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO JÁ COMEÇOU

A transposição das águas do rio São Francisco representará, para a Região Nordeste do Brasil, impacto semelhante ao provocado no Centro Oeste pela transferência da Capital Federal, desde o Rio de Janeiro para Brasília.

Coube ao Exército Brasileiro, em prosseguimento ao desempenho de seu papel social, a instauração do marco inicial da monumental obra de transposição das águas do Rio São Francisco que além de colocar um paradeiro na chamada indústria da seca, a qual, durante decênios, representou um sorvedouro de verbas públicas.

Esta realização é passível de provocar o crescimento econômico de vários Estados do Nordeste Brasileiro e a melhoria da qualidade de vida de grande faixa da população nordestina.


A sinopse da Radiobrás, extraída da Folha de São Paulo, é a seguinte:

* Em meio às plantas espinhosas da caatinga, foi iniciada a transposição do rio São Francisco, obra de mais de R$ 5 bilhões financiada com dinheiro dos impostos.

Os índios trucas, cuja aldeia está instalada a 600 metros do ponto de captação das águas em Cabrobó (PE), temem que a transposição comprometa a pesca e a agricultura.

(.Folha de São Paulo - Sinopse Radiobrás.)


A jornalista MARTA SALOMON, enviada especial da Folha de São Paulo a Cabrobó (PE), ssim descreve o memorável acontecimento:


Obra no São Francisco começa com 50 homens e R$ 5 bilhões de gasto

MARTA SALOMON

Em meio a mandacarus, coroas de frade e outras plantas espinhosas da caatinga, o sargento topógrafo Hayud Farah seguiu as coordenadas do satélite e marcou o lugar onde o Exército erguerá, nos próximos meses, um paredão do tamanho de um prédio de sete andares da barragem de Tucutu.

Deu-se assim, na manhã da última terça-feira, o início oficial da polêmica obra de transposição do rio São Francisco, obra de mais de R$ 5 bilhões a ser financiada com dinheiro dos impostos.

O marco foi feito a oito quilômetros das margens do São Francisco, em Cabrobó (PE).

Do trecho onde o rio faz uma curva, sairá um dos dois canais de concreto que vão desviar parte das águas do São Francisco por centenas de quilômetros, para os Estados de Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte.

No caminho, nove estações de bombeamento vão erguer as águas a uma altura de até 300 metros.

Na coordenação-geral do projeto, em Brasília, o engenheiro Rômulo Macedo considera "pouco provável" que a obra pare depois de tantos problemas que enfrentou até começar a sair do papel.

Ele não descarta, porém, contestações e eventuais atrasos na superlicitação em curso, de R$ 3,3 bilhões, para a escolha das empresas privadas que farão a maior parte da obra, nem o risco de que a obra se torne, no futuro, um "elefante branco".

"Tudo está programado para que o eixo Leste seja inaugurado já neste governo e que o eixo Norte, maior, chegue a 2010 com parte funcionando, para se tornar irreversível", disse Macedo.

O objetivo é evitar que o sucessor de Lula interrompa o projeto.

Grandes obras

"Essa cena vai para o museu", comentou o sargento topógrafo Farah sob o sol forte.

Ele faz parte de uma equipe inicial de 50 homens deslocados do 2º batalhão de engenharia do Exército, sediado em Teresina.

O grupo, que alcançará 200 homens nos próximos meses, montou acampamento em Cabrobó na segunda-feira.

Outro destacamento, saído de Picos (PI), chegará amanhã ao município de Floresta, também em Pernambuco. As escavações devem começar dia 25.

O Exército cuidará da primeira parte da obra: construirá os dois pontos de captação das águas - nos municípios de Cabrobó e Floresta - e quase oito quilômetros de canais entre as margens do rio e as primeiras estações de bombeamento, além das primeiras barragens da transposição.

Dividido em 14 lotes, o restante da obra será tocado por empresas privadas.

No meio da área da caatinga que será desmatada em breve, os militares compararam a transposição a grandes obras que o país teve nos anos 70, como a Transamazônica, a hidrelétrica de Itaipu e a ponte Rio-Niterói.

O batalhão responsável pela primeira etapa das obras da transposição ganhou o nome de Pedro 2º.

Uma homenagem ao imperador que patrocinou a primeira idéia de desviar águas do São Francisco.

No PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), a transposição é a obra que vai consumir o maior volume de impostos cobrados pela União.

Antônio Simões de Almeida acertou na quarta-feira, no escritório do Ministério da Integração em Cabrobó, a indenização de R$ 1,029 milhão pelas terras da fazenda Tucutu, local escolhido para a captação das águas do São Francisco no eixo Norte.

"Era uma propriedade de estimação, mas não é por isso que vou ser contra a obra, que vai beneficiar tanta gente", declarou.

Coube a Antônio "Russo", como é conhecido, a indenização mais cara a ser paga no primeiro trecho da transposição.

O processo de desapropriação é complicado pela falta de documentos que comprovem a titularidade das terras, problema que atinge 80% das propriedades localizadas numa área de cem metros nas margens direita e esquerda dos canais.

Essa faixa será cercada e vigiada para evitar roubo de água.

Desde o anúncio da desapropriação, em 2005, a fazenda Tucutu, de quase 600 hectares, parou de produzir arroz e cebola para se dedicar à criação de gado."